Exercícios físicos na gravides


Toda grávida sempre ouve esta recomendação: “Não deixe de fazer atividades físicas durante a gestação”. Mas você sabe por quê? Além de manter a resistência muscular, é um hábito saudável que diminui a retenção de líquidos e inchaços, evita o ganho de peso, assim como melhora as condições cardiovasculares e cardiorrespiratórias. Por liberar endorfina (que ajuda a combater o estresse, a ansiedade e a insônia), a “malhação” ainda aumenta a sensação de bem-estar e reduz o risco de depressão pós-parto.


Kaline Neri, responsável pelo Programa Gestante da academia Companhia Athletica, em São Paulo, destaca também outros benefícios: diminuição de dores lombares, melhoria da postura, aumento da resistência óssea e auxílio na prevenção de varizes e diabetes gestacional.


Trimestre a trimestre


A gravidez é um momento especial para o corpo da mulher, que sofre mudanças, mas é preciso ir com calma em relação aos exercícios. A boa notícia é que a atividade física pode ser feita ao longo de todas as semanas de gestação, salvo os casos contraindicados pelo médico (veja lista de exceções no final da matéria).


Por isso, com a ajuda da Kaline, selecionou diferentes dicas para cada trimestre:


1º trimestre: Como a maioria das mulheres sente o incômodo dos enjoos e até dos vômitos, o ideal nessa fase é fazer exercícios duas vezes por semana.


2º trimestre: Durante esses três meses, a frequência das atividades pode aumentar, porque a mãe costuma estar mais disposta – algumas chegam até a se exercitarem diariamente.


3º trimestre: Na última etapa da gravidez, falta disposição por causa do cansaço e do tamanho da barriga. Assim, a sugestão é diminuir o ritmo. Os exercícios podem ser realizados duas vezes por semana.


Grávida, sim; sedentária, não!


Anderson Almeida Nascimento, ginecologista do Hospital Santo Antônio, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, revela que uma das primeiras perguntas que faz às suas pacientes é se já praticavam algum tipo de exercício antes de engravidar.


“É importante ter alguns cuidados para iniciar a atividade física. Se a paciente já fazia exercícios, pode continuar, mas precisa diminuir a intensidade. Quem não tem uma rotina deve optar por modalidades de baixo impacto”, diz.


No caso das mulheres que já praticavam corridas curtas, por exemplo, não é preciso mudar o ritmo de forma brusca, desde que não perceba algum desconforto durante a atividade.


Ele recomenda exercícios aeróbicos, como ginástica, caminhadas leves, bicicleta ergométrica, natação e hidroginástica. “Elas também podem optar pela musculação, mas com menor carga de peso e mais movimentos de repetição”, complementa o médico.


Kaline também explica que manter a força muscular é uma forma de se preparar para a chegada do bebê. Se a mulher já praticava ioga e pilates, por exemplo, pode continuar; porém, é fundamental ter o acompanhamento e a orientação de pessoas habilitadas para trabalhar com as futuras mamães.


Mesmo com todas essas dicas, é sempre bom lembrar: nada de fazer exercícios sem uma avaliação médica!


Sinais de alerta


“O que vai determinar o limite da atividade física é o bem-estar da paciente”, resume Anderson. Não existe proibição; porém, especialistas desaconselham as práticas de alto impacto (corridas de longa distância, vôlei, tênis etc.), de contato corpo a corpo e que possam resultar em quedas.


Mas, independentemente da modalidade de baixo impacto escolhida, a frequência cardíaca elevada é um sinal de alerta. E o ginecologista faz outra advertência: “Nos primeiros meses, o aumento da temperatura do corpo pode causar a má-formação do feto”. Por isso, é importante reduzir o ritmo caso perceba muita vermelhidão no rosto, suor excessivo ou algum outro tipo de mal-estar.


Atenção redobrada!


Há situações em que o cuidado deve ser redobrado. Anderson lista a seguir alguns exemplos que podem até impedir a gestante de se exercitar.


- Mulheres que já têm doenças que podem originar outras, como hipertensão, precisam de um acompanhamento mais intenso porque podem sofrer uma elevação da pressão.


- Se for diagnosticada uma ameaça de aborto no início da gravidez, só o médico poderá liberar a prática de algum exercício ou esporte.


- Sangramentos uterinos no início da gestação também são um alerta.


- A hipertensão adquirida na gravidez é outro motivo de acompanhamento mais detalhado.


- Placentas de inserção baixa (a chamada placenta prévia), por ficarem em contato com o colo do útero, podem causar sangramentos com facilidade e, assim, impedirem uma rotina esportiva. Se isso ocorrer, o ideal é consultar o seu obstetra.

Só o médico pode dar a autorização para os exercícios corretos, inclusive em casos de gestações múltiplas.


- O crescimento fetal restrito (quando o bebê não cresce normalmente), é um problema que pode se agravar com a atividade física sem acompanhamento médico.


Lembre-se ,consulte seu médico antes de qualquer procedimento, todo cuidado é pouco !






Posts Recentes
Galeria de Fotos
 
Endereços
Encontre-nos

Loja01. Rua Pedro Augusto Bossardi 1017 - Quatro Barras, PR

Tel: (41) 3672-1036

Loja02. Rodovia do Caqui (PR506)

1724 - Campina G. do Sul.

Disk Entrega: (41) 9834-1113

 

© 2016 - Orgulhosamente criado por                          Hospedagem